Horiyoshi

Horiyoshi é a maior referência da tatuagem japonesa. Ao invés da maquininha, ele usa a forma tradicional de tatuar: consiste em subir nas costas do sujeito e fincar tinta com um pincel de agulhas. Vendo o resultado, dá pra perceber que Ivan Szazi é digno de herança. Ainda volto lá pra fechar as costas…

Renkon – Fotografia

Detalhe do corte do Renkon, Lótus, março de 2010.

Lula e Lassi

Comida de domingo: Lula na manteiga com pimenta. Acabei fazendo uma receita nova, com alho, cebolinha e molho de ostras. Ando mais familiarizado com esses bichinhos. Bebida: Lassi. É uma bebida indiana, muito simples e saborosa. Essa é a receita, extraída do site do restaurante Gopala Madhava, aquele que fica na Antônio Carlos, perto da … Continue lendo

Norman Finkelstein

Só quem é filho de judeus perseguidos em Varsóvia e Auschwitz tem direito de chamar o Estado de Israel de genocida?

Satíricon, de Petrônio

Imediatamente veio um prato que não era grande como se esperava; a surpresa, entretanto, chamou a atenção de todo mundo. Uma bandeja redonda tinha os doze signos do zodíaco dispostos em círculo; sobre eles o arquiteto do prato havia colocado uma comida especial e adequada ao assunto de que tratava: sobre Áries, grão-de-bico arietino; sobre … Continue lendo

Ai que lindo, ai que triste, ai que bom de um chorinho chamado Odeon

Esse é o Grupo Cortando Cebola. Fizeram uma apresentação no museu neste sábado, com casa cheia e repertório muito bem selecionado. Fiz a sonorização, gravação e edição da apresentação em equipamento de áudio profissional. O resultado foi excelente, com uma qualidade de som boa. O vídeo daí de cima foi o oposto, totalmente corrido e … Continue lendo

Mea Culpa

Saudade da época em que a única forma de se expor ao mundo era ligar de um telefone fixo para outro. É claro que estávamos conversando com máquinas, como hoje e como agora. Mas não seria um pouco mais humano do que essa noia de se comunicar através de código HTML? Vaidade ou covardia? Nenhuma … Continue lendo

Elegáncia Porteña

Terraza, Marcos López. Más acá: http://www.marcoslopez.com

Papos imaginários

Coloco aqui um texto de Fernando Barreiros, que escreve pra revista Zé Pereira. Fui ao estacionamento para fumar. Ainda fazia calor mesmo à noite, fazia você querer andar pelado. Uma música brega anos 90 tocava no bar ao lado, podendo estragar qualquer vontade de ter ouvidos. Resolvi voltar para dentro do prédio, com ar condicionado … Continue lendo